29.7.17

JBC: Edição de Julho 2017


Confira a Edição de julho de 2017 do JBC Online.



O JBC (Jornal Building Conectores) é um informativo distribuído internamente na Building Industrial de Conectores, com o objetivo da divulgação das melhorias implantadas em todos os setores, eventos, promoções, participações dos colaboradores, históricos de tempo de casa e outros.

28.7.17

Infográfico: Aprenda a Higienizar seu EPI!

 O EPI (Equipamento de Proteção Individual) é um item de uso obrigatório  a  todos  os  trabalhadores que  atuem  como  empregados  sob regime  da  CLT  e  que  estejam  expostos  aos  riscos  ocupacionais.  Cabe  ao  colaborador  zelar  pela  sua  qualidade, fazer seu correto uso e não trabalhar sem utilizá-los.  

Alguns  EPI’s devem ser lavados todos os  dias,    tudo  dependerá  do  tipo  de atividade  desenvolvida,  do  EPI  e  da exposição ao qual o EPI fica.   

Abaixo montamos um infográfico com os EPIs mais usados e as orientações de como fazer a sua manutenção.

 http://building.ind.br/2016/digitalizado/info.pdf

26.7.17

Como crimpar o conector RJ-45 fêmea - Módulo B-Lux Home Rj 45


Use um alicate crimpador para desencapar cerca de 3 cm do plástico que envolve o cabo.


Encaixe cada um dos fios nas posições corretas, usando o esquema da figura acima.

Em caso de dúvida, use a indicação das cores existente no próprio conector.

Os fios devem ser totalmente encaixados nas fendas do conector, como vemos na figura abaixo:


Para cada uma das 8 posições do conector, posicione a lâmina da ferramenta de inserção, como vemos na figura abaixo:


A lâmina tem uma extremidade cortante que deverá eliminar o excesso de fio. Cuidado para não orientar a parte cortante na posição invertida. A parte cortante deve ficar orientada para o lado externo do conector. Aperte a lâmina firmemente no sentido do conector. A lâmina fará um impacto, e fixará o fio no conector, ao mesmo tempo em que cortará o seu excesso.

Leia: B.Lux é Bom?

Uma vez pronto o conector, devemos testá-lo. A seção completa de cabo terá conectores RJ-45 fêmea em suas duas extremidades. Conecte nesses pontos dois pequenos cabos com conectores RJ-45 macho, previamente testados.


Lembre-se:

Branco-verde
Verde
Branco-laranja
Azul
Branco-azul
Laranja
Branco-marrom
Marrom

Indicamos o Vídeo abaixo:



Leia Também:
Cabos e conectores clicando aqui

Créditos Vídeo:
Vlog de TI - Clique aqui

Parceria SHD: 
Seja Hoje Diferente
www.sejahojediferente.com

24.7.17

Novo selo ajuda o consumidor a identificar se uma lâmpada LED é certificada pelo INMETRO. Confira!

 Lâmpada LED Comum

Cada dia que passa aumenta a aceitação e procura por lâmpadas LED no mercado, seja pela sua eficiência e economia, como também pelo seu baixo impacto no meio ambiente, destacando-se por ser um produto sustentável.

A sigla LED significa Light Emitting Diode (Diodo Emissor de Luz) que são pequenas lâmpadas que tornam a iluminação mais uniforme, sendo iluminadas somente pelo movimento de elétrons em um material semicondutor.

Existem LEDs de diferentes cores e os LEDs brancos são geralmente LEDs emissores de cor azul, revestidos com uma camada de fósforo do mesmo tipo usado nas lâmpadas fluorescentes, que absorve a luz azul e emite a luz branca.

 LEDs coloridos
  
Hoje em dia encontramos todos os tipos e formatos de lâmpadas LED, facilitando desta forma a sua substituição em comércios, residências e empreendimentos. Todavia, notam-se diferentes níveis de qualidade nos produtos LED. 

Recentemente (17 de Julho deste ano) terminou o prazo para comercialização no Brasil, por atacadistas e varejistas (*), de lâmpadas LED sem certificação do INMETRO do tipo com regulador integrado à base, ou seja, inclui todos os modelos de lâmpadas LED que não precisam de reator ou fonte externa e que podem ser ligadas direto na rede elétrica.
(*) Atacadistas e varejistas cadastrados como Micro e Pequenas Empresas (MPE) terão o prazo para comercialização destas lâmpadas prorrogado até 17 de janeiro de 2018.

Aquelas lâmpadas coloridas (RGB) e as decorativas, como as fitas de LED, não estão certificadas neste regulamento, o que significa que elas podem ser comercializadas, mas não terão a obrigatoriedade de terem sua qualidade atestada.

A certificação é a única garantia do consumidor de que está adquirindo um produto em conformidade com padrões específicos de segurança, desempenho e qualidade estipulados por um órgão certificador renomado. 


Mas como identificar uma lâmpada LED certificada?


Selo ENCE de lâmpada LED
 
 A lâmpada LED ganhou na embalagem o selo ENCE (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia). Ele é diferente das lâmpadas fluorescentes e não terá a escala de A a E de eficiência.

A Abilumi (Associação Brasileira dos Fabricantes e/ou Importadores de Produtos de Iluminação) orienta o consumidor a verificar os seguintes itens na embalagem:
– Todas as informações devem, obrigatoriamente, estar em português.
– Nome do fabricante, CNPJ e telefone do SAC.
– Selo do Inmetro.
– Potência em Watts.
– Fluxo luminoso em lúmens.
– Eficiência luminosa em lúmens por Watt.
– A etiqueta deve conter ainda, na parte de segurança, um número de registro junto ao selo da OCP (Organismo de Certificação de Produto), que realizou a certificação, pois alguns fornecedores estão colocando apenas XXXXXX (veja indicação na imagem). Caso isso aconteça, não tenha dúvida, a certificação é falsa!

A lâmpada LED também deverá apresentar a equivalência com relação à fluorescente, além da comparação com a incandescente que já existe na embalagem.

Esta etiqueta surgiu para proteger o consumidor que era atraído a comprar lâmpadas LEDs por um preço baixo e acabava adquirindo um produto de baixa qualidade, com baixo desempenho e que colocava em risco a sua segurança.

Ações de fiscalização ocorrerão e lojistas e distribuidores poderão ser autuados, sendo passiveis de apreensão das mercadorias sem certificação e multa, por isso fique atento e compre apenas produtos de qualidade com o selo acima.

Fontes:
INFOESCOLA
ABILUMI

18.7.17

110V ou 220V?! Qual é a tensão mais vantajosa?


Está construindo e não sabe qual tensão elétrica usar?!

Aqui vamos esclarecer a dúvida mais comum entre os consumidores que é saber se 220V economiza mais energia do que 110V, qual é a mais vantajosa e por que.

Muitas pessoas acreditam que a tensão 220V consome menos energia elétrica do que a 110V e se optarem por tal instalação farão economias futuras com a conta de luz, mas, segundo o professor de eletrotécnica, Henrique Mattede,
o consumo é o mesmo.

Henrique exemplifica com um caso bastante comum que é a instalação de um chuveiro elétrico, cuja potência é de 5500W.

Se usarmos a tensão 110V e aplicarmos na fórmula P=V * I (onde P é a potência, V é a tensão elétrica e I é a corrente elétrica) e compararmos com o uso da tensão 220V notaremos diferença apenas nas correntes, sendo a corrente maior quando usamos a tensão elétrica 110V e, portanto, o consumo de energia é o mesmo para as duas tensões, visto que a potência é que reflete no consumo. Como foi mantida a mesma potência não haverá redução no consumo elétrico.
 

  

O que se pode afirmar é que haverá sim uma economia na instalação deste chuveiro, visto que uma corrente elétrica menor, ou seja, se ele usar a tensão 220V exigirá condutores elétricos de menor espessura, além de um disjuntor que suporte uma menor corrente elétrica.

Henrique afirma que em uma escala muito pequena e talvez quase imperceptível, em sua conta de luz pode haver uma diferença devido ao circuito em 220V ter um menor fluxo de corrente elétrica circulando em seus condutores e na ocorrência de emendas de qualidade ruim o aquecimento nestes pontos seria menor, resultando em um gasto menor em energia elétrica, mas a princípio e por convenção devemos entender que a instalação elétrica está dentro dos padrões técnicos e de segurança definidos no projeto de instalação residencial.

Para evitar problemas com emendas de qualidade ruim de cabos ou fios indicamos o uso de conectores da Building, cuja fabricação é 100% nacional!

Referente à economia de energia, poderá haver desvantagens dependendo do aparelho escolhido.

Como muitos sabem, os "vilões" das contas de luz são chuveiros, secadoras de roupas, secadores de cabelos, aquecedores etc., pois precisam produzir calor e, por esse motivo, gastam muito mais energia. Nestes casos específicos, o 220V pode ser mais vantajoso. "Considerando-se alguns padrões de funcionamento, uma geladeira funcionando no 220V economiza menos de 10% de energia se comparada a uma de 110V. Mas já uma secadora de roupas ligada no 220V gasta, em média, 30% a menos, uma economia expressiva", explica o docente do Grupo de Física Teórica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), Luiz Nunes de Oliveira.

A tensão elétrica 220V exige a passagem de menos elétrons e, portanto, menor gasto energético nos fios que conduzem eletricidade até a tomada. "É a passagem de corrente elétrica que aumenta o gasto de energia, uma energia gasta à toa, diga-se de passagem, pois quanto mais corrente passa no fio, mais calor é gerado, que, inclusive, cresce com o quadrado da corrente", exemplifica o docente.

Ou seja, se você dobrar a corrente, aumenta-se quatro vezes o calor que passa pelo fio, uma consequência indesejada e que pode causar até mesmo incêndios, em casos extremos.

Mas, na realidade, o que realmente influencia o maior ou menor gasto dos aparelhos elétricos é o fio por onde a energia passa. Se a fiação de uma casa for dimensionada de acordo com os padrões atuais, aparelhos de 110V e 220V trarão o mesmo gasto.

"Se você construir uma casa e a fiação estiver de acordo com as normas, o gasto de energia no fio será insignificante. Mas há muitas casas que não possuem a fiação adequada e, por isso, a chance de maior gasto, bem como de curtos circuitos é grande", elucida Luiz Nunes. "O mesmo vale para emenda de fios: se elas forem mal feitas, o gasto de energia quando a eletricidade passa por eles será maior. No caso de 220V, esse gasto será, realmente, quatro vezes maior".

A questão, portanto, é quanta energia os fios gastam. Numa casa construída com os padrões modernos, a fiação é grossa o suficiente para tornar insignificante o consumo ao longo dos fios. Entretanto, muitas das casas construídas no século XX não seguiram esse padrão, e mesmo hoje muitas são construídas com instalações elétricas abaixo do padrão, pois o cobre dos fios custa muito caro. Outro problema são as conexões (emendas entre fios) mal feitas, que também consomem energia. Nesses casos, uma fração importante da conta de luz será gasta para aquecer os fios ou as conexões, sem nenhum resultado desejável. Aparelhos com 220V reduzirão esse gasto inútil em relação a aparelhos com 110V.

Você deve estar se perguntando: Por que, então, vemos na maioria dos lugares usando a tensão 110V?!

A tensão 110V predomina no Brasil e em muitos países por conta da segurança. Levar um choque de uma tomada de 220V é duplamente mais perigoso. De acordo com Luiz Nunes, ao colocar as mãos numa tomada, nós fazemos o papel dos aparelhos: servimos de intermediário para entrada e saída de elétrons. Mas, diferente dos aparelhos, não temos nenhum motor interno que aglomere toda essa energia e a devolva ao outro polo da tomada.

Finalizando esta publicação queremos deixar um alerta para que façam revisões nas suas instalações elétricas e usem materiais de qualidade, pois além de isso significar economia futura, também significa sua segurança e dos seus familiares. Pensando nisso a B-Lux oferece tomadas, interruptores, plugues, adaptadores, plafons que possuem 15 anos de garantia!


Fontes:
MUNDODAELETRICA
IFSC

7.7.17

Plafon de Plástico - Plafon simples com soquete

Há vários modelos de peças que podem compor a iluminação de um ambiente. As mais comuns são plafons, pendentes e embutidos. Plafons luminárias são para lâmpadas elétricas e podem ser embutidos (se houver gesso) ou sobrepostos ao teto. O plafon pode ser colocado em qualquer ambiente, independente da função dele.

O plafon é um tipo de luminária versátil que pode proporcionar uma iluminação direta ou indireta, a depender do estilo de luz que o ambiente pede. 


O plafon é capaz de criar uma iluminação difusa, que proporciona uma iluminação geral eficiente para o ambiente, mas também pode iluminar agregando aquele toque de acolhimento que torna os espaços muito mais agradáveis.

Plafon B-Lux:

Plafon simples com soquete decorando e agregando estilo ao ambiente.

Produzido em ABS com soquete em policarbonato suportando até 300°C de temperatura ideal para lâmpadas até 100W em 110V ou 220V.

Possui tampas de acabamento para que os parafusos de fixação do suporte no teto não fiquem aparentes.

Nas cores:  Branco / Preto

Página B-Lux : Plafon clique aqui.

Veja também: Como instalar um plafon de modo fácil com pré instalação existente: Clique aqui

5.7.17

Diferentes formas de uso das tomadas para painel embutidas e externas B-Lux

 Tomadas para Painel

As tomadas para painel B-Lux tanto a embutida (plana) quanto a externa possuem acabamento fosco, estão disponíveis em 10A e 20A, nas cores branca, vermelha e preta e o cliente pode optar em adquiri-la com rabichos de 150 mm de comprimento cada, que são os 3 cabos para fazer o neutro, fase e terra, já soldados na tomada, agilizando assim a instalação, ou então comprar sem rabicho.

Outra vantagem em adquirir as tomadas de painel da B-Lux com rabichos é que estes são isolados com isolantes termo contráteis, garantindo maior segurança na instalação, e todos os produtos da linha B-Lux possuem a exclusiva garantia de 15 anos.

Tomadas para Painel Embutidas (Planas) B-Lux



Nova tomada para painel embutida com rabicho (imagem na cor branca) e sem rabicho (imagens nas cores vermelha e preta).

Tomadas para Painel Externas B-Lux



Tomada para painel externa com rabicho (imagem na cor branca) e sem rabicho (imagens nas cores vermelha e preta).



Além das tomadas para painel serem usadas comumentemente em painéis elétricos, consultando nossos clientes e vendedores verificamos que as aplicações são diversas.

As tomadas de painéis embutidas B-Lux são muito procuradas também para serem instaladas em móveis, armários industriais, luminárias, algumas máquinas e chapas de ferros.

Réguas de tomadas para rack servidor (tomadas para painel embutidas instaladas em chapa de ferro).

O nosso cliente JMC Comercial Elétrica Ltda. comercializa nossas tomadas de painel externas e comentou que normalmente os clientes que compram na loja usam-na em mesas de escritórios (adaptadas em réguas de mesa) e filtros de linha.


Réguas de tomadas para mesa de escritórios (tomadas para painel embutidas instaladas em chapa de ferro)

Base embutida para mesa 

Base para mesa com tomadas para painel embutidas instaladas em chapa de ferro

 Base para mesa instalada em mesas de escritórios


 Tomadas para painel embutidas instaladas em mesas de escritório

Filtros de Linha (chapa com tomadas para painel embutidas)

Descobrimos também através do cliente Eletrizel Comercial de Materiais Elétricos e Hidráulicos Ltda. que as tomadas para painel externa da B-Lux são usadas para montagem de "checkout (conter)" (caixa onde o cliente paga pelas suas compras), onde tem uma caixa de PVC que vão as tomadas de painel e tomadas RJs para ligar a máquina de cartão. Recentemente a Eletrizel aderiu também as nossas tomadas de painel embutidas 10A, com rabicho na cor preta e os vendedores receberam orientações do representante Joel.

Checkout counters

Já a indústria WFIX Sistemas de Fixação Ltda. lançou um novo produto com as tomadas para painel externa B-Lux que são instaladas em uma caixa de PVC que vai no piso elevado, sendo muito usada em salas comerciais. Ao invés de elevar o porcelanato, é elevado o piso, ficando oco embaixo e é colocada esta caixa, evitando desta forma instalações aparentes e futuras quebras no porcelanato para esta instalação, contribuindo para a economia de modo geral.

OBS: Todas as imagens das tomadas para painel  instaladas são meramente ilustrativas.

1.7.17

Esteja por dentro das tendências de decoração de 2017!

Listamos abaixo as 6 tendências principais de decoração de 2017 para você não ficar de fora e poder atualizar os seus ambientes.

1.    Paredes de Cortiça 

Uma opção sustentável, prática e aconchegante que adiciona cor e textura aos ambientes, enquanto permitem diversas composições e colaboram para o isolamento sonoro, além de manter os ambientes aquecidos.
Você conseguirá prender mensagens e fotos diretos na parede e pode fazer desenhos com a cortiça, soltando a criatividade ao personalizar o seu ambiente igual à imagem abaixo. 
É uma ideia legal para usar no quarto daquele filho pequeno que adora rabiscar a parede e agora poderá colocar os seus desenhos pendurados nesta parede e trocá-los quando quiser.
Que tal fazer uma parede de cortiça na cozinha e deixar de colocar papéis pendurados na geladeira?!



 
Parede de cortiça serve como mural de fotos e lembretes


2.    Móveis de Pelúcia 

Poltronas duras e frias se tornam extremamente confortáveis ao usar a pelúcia direto nos móveis, aquecendo e deixando mais aconchegante

 Cadeira com pelúcia no escritório

 Cadeira com pelúcia na sala

Banco com pelúcia  

Pufe com pelúcia

3.    Verde


O verde apareceu bastante nas passarelas de moda com o tom verde-amarelado (greenery), sendo tendência para este ano, e não deixou de entrar nos projetos de decoração, estando presente nas paredes, nos móveis e nos acessórios em diferentes tonalidades.


Móvel pintado de verde realça o ambiente 

Poltronas com tecido na cor verde harmonizam com os móveis de madeira
  

4.    Mesas de Mármore


Uma combinação de luxo e glamour, as mesas de mármore podem ser o destaque em uma sala de jantar ou em qualquer espaço, sendo pequenas e estilosas.
É possível escolher entre diversos tons.
O mármore por ser um material nobre torna o ambiente elegante.

 Mesa de jantar de mármore


5.    Cabeceiras estofadas


Sofisticadas, as cabeceiras estofadas contribuem com a decoração do quarto. Em qualquer cor e estilo (do veludo a peças com capitonês) a aposta para 2017 são os móveis com cabeceiras de veludo.



 

6.    Veludo vibrante

 tecido de textura agradável, combinado aos tons de joias, está com tudo!

Cama com cabeceira de veludo

Poltrona de veludo com almofada de pelúcia



Fontes: